Na prática obstétrica convém sublinhar que a gravidez inicia-se com a fertilização, e que, sob o aspecto de aceitação da mulher, pode originar-se de duas formas:

 

GRAVIDEZ ESPONTÂNEA

 

A gravidez espontânea pode ocorrer em três circunstâncias: a) planejada – quando a mulher, juntamente com o seu parceiro, planeja ter um filho, num período determinado e, para isso, toma as providências anticoncepcionais, denotando coerência com o seu objetivo. b) desejada – a mulher simplesmente deseja ser mãe e deixa acontecer; e c) "gestação surpresa" – esta compreende duas modalidades: – 1) gestação surpresa impessoal – quando independe da vontade da mulher, isto é, ocorre falha do contraceptivo utilizado (DIU, pílula, ou camisinha); e 2) gestação surpresa por negligência - a gravidez decorre da inexperiência ou porque a mulher é "desligada", estabelecendo relações sexuais, sem uso de métodos anticoncepcionais, acreditando na impossibilidade de engravidar, consciente ou inconscientemente.

            A psicologia, neste item, tem a função precípua de, a partir do perfil psico-emocional da gestante, traçar diretrizes básicas para conduzir a gestante num clima de aceitação, conscientização da maternidade e das implicações - transformações físicas, labilidade emocional, alternância do humor e experiência de insegurança, medos e fantasias -, próprias das influências hormonais.

            Vale ressaltar que estes procedimentos dizem respeito a gestações com fetos normais. Quando se tratar de gestação com "alterações estruturais fetais", há de se recorrer a procedimentos previstos no protocolo implantado pelo serviço, em conformidade com os demais membros da equipe. É neste capítulo que o psicólogo deve corresponder àquele padrão antes referido.

            O psicólogo deve estar familiarizado com as possíveis malformações fetais e seus prognósticos. Felizmente, a maioria das "alterações estruturais fetais" são leves (pés tortos, pés valgos, superposição de dedos) e moderadas (lábio leporino), havendo uma minoria de ocorrências graves (cardiopatias, hidrocefalia). Todas são passíveis de correção cirúrgica, portanto compatíveis com a vida. Também, há casos gravíssimos, incompatíveis com a vida, (anencefalia, agenesia renal bilateral).

É oportuno registrar a incidência da Trissomia 21 (Síndrome de Down), que segundo Moron, é de 1 para cada 700-920 nascidos vivos (Fl:Ml), e a freqüência aumenta com a idade materna. Neste particular a psicologia presta relevante parcela de contribuição, dando apoio à gestante, ao companheiro e, quase sempre, aos familiares, no sentido de minimizar o impacto emocional pertinente à realidade. Este apoio psicológico vem instruir a todos como lidar com a situação e, por conseguinte, garantir um clima familiar mais ameno e positivo para o novo ser.

Quanto à anencefalia, as leis brasileiras facultam à mãe e aos profissionais médicos a interrupção da gestação. Curiosamente, as experiências de alguns serviços têm mostrado que, mediante à interferência do psicólogo, mais da metade dessas grávidas preferem levar a gestação a termo. 

 

GRAVIDEZ FORÇADA

 

A gravidez é resultado de uma relação sexual caracterizada como estupro, ou seja, um ato sexual realizado mediante coação, com violência ou ameaça. Neste particular  é permitida à gestante proceder o aborto, desde que legalmente comprovado.

            Apesar do amparo legal, a vítima de estupro experimenta o amargo sabor da vergonha, do constrangimento e da humilhação, principalmente quando se trata de menor de idade ou de mulher casada, por razões óbvias.

Não raro, a mulher estuprada se acha envolvida com o uso de drogas ilícitas, o que termina por agravar, sobremaneira, a sua realidade psicológica.

            Portanto, a tarefa de resgatar o equilíbrio psicológico da gestante em geral é um desafio aceitável, mas enveredar no campo das "Gestações Especiais" (gestação com alterações estruturais fetais  e  gestante vítima de estupro),  torna-se um empreitada confiável somente aos iluminados da psicologia. Este campo sugere a realização de viagens retas através de vidas tortuosas. Tudo pela vida que, segundo Saraiva7 , é o conjunto das funções harmônicas de todas as células do corpo sob o "sopro" existencial inexplicável.

Logo, a psicologia na prática obstétrica moderna transcende o físico – o órgão, a célula, o cromossomo, o gene - e o mental, e, cavalgando o "sopro" existencial inexplicável busca alcançar o seu verdadeiro alvo - a "alma".

A "alma" humana que clama por ajuda.

Esta ajuda tem nome:

AMOR.                       

 

                      

REFERÊNCIA BIBLIOGRÁFICA

 

1. LIMA LP. Prática de Psicologia Moderna. 4ª ed. São Paulo-SP. Honor Editorial Ltda. 1972;466.

2. MOORE & PERSAUD. Embriologia Clínica. 5ª ed.Rio de Janeiro-RJ. Editora Guanabara Koogan 1994;1.

3. NEME B. Obstetrícia Básica. 2ª ed. São Paulo-SP.Sarvier 2000;3

4. NATHANIELSZ P. A Vida do Bebê no Útero. 2ª ed. São Paulo-SP. Ediouro Publicações 2002;13

5. PAZZOLI TC. Larousse Cultural – Dicionário da Língua Portuguesa. São Paulo-SP. Editora Nova Cultural 1992;511

6. MORON AF. Medicina Fetal na Prática Obstétrica. São Paulo-SP. Livraria Santos Editora 2003;166

7. SARAIVA SJ. Conversando Com Deus. 1ª ed. Ribeirão Preto-SP. MZ Gráfica e Editora 2001;2

 

 

AGRADECIMENTO

 

Quero registrar aqui os meus sinceros agradecimentos à amiga-irmã Fátima Bortoletti pelo carinho explicitado através do honroso convite para participar desta magnânima obra científica, cuja realização se constitui no testemunho da validade do sonhar.

Posso imaginar a sua felicidade pela capacidade de haver gerado este “3º filho”, e com a participação direta do fiel companheiro, meu amigo-irmão João Bortoletti.

Como ilustres amigos-irmãos estão envolvidos na formação desta “criança”, podemos afirmar que se trata de uma significativa superfetação científica.

Eu também sinto enorme orgulho por haver compartilhado, mesmo que modestamente, com este “filho” cujo nascimento – com alegre celebração – está previsto para o dia 24 de maio de 2007.

Com amor

Sebastião Saraiva

 

17 .maio.07

 

   

Sobre...

“A História da Humanidade registra os movimentos de guerra em todos os momentos evolutivos das sociedades no mundo inteiro... Se tem sido possível formar batalhões destrutivos baseados no egoísmo, talvez seja possível, mais razoável e humano compor legiões construtivas respaldadas no altruísmo”