O MÉDICO NO BRASIL

           

 INTRODUÇÃO

 

Apesar desta lamentável e triste realidade do Médico Brasileiro estar sendo apresentada com um toque de humor, necessário se faz uma pequena reflexão ao término de cada quadrinha, com o espírito de compreensão.

Atualmente o médico, após seis anos de faculdade e mais dois ou três de pós-graduação, volta à sua terra natal para exercer a profissão, auferindo um salário de CR$ 9.000,00 (nove mil cruzeiros) no Município e CR$ 17.000,00 (dezessete mil cruzeiros) no Estado, além das precárias condições de trabalho tão bem conhecidas pela população. O INPS ignora a formação do médico e oferece-lhe um emprego de CR$ 20.000,00 (vinte mil cruzeiros) mediante resposta a 50 perguntas sob o pretexto, humilhante de concurso.

Vale a pena ressaltar que o profissional vem atendendo, em média, de 50 a 60 pacientes em cada turno de 4 horas de trabalho, quando o número previsto é de 12 pacientes. Também é do conhecimento de todos o absurdo do paciente marcar uma consulta para ser atendido 30 a 60 dias depois. Existe uma lei que estabelece o valor de US (Unidade de Serviço) como sendo 1% do valo do salário mínimo vigente (é este valor pago aos médicos e hospitais credenciados, que por não vir sendo respeitado tão bem caracteriza e explicita a qualidade dos serviços médicos existentes entre nós.

Esta breve colocação visa levar até você a informação de que não estamos reivindicando apenas melhoria salarial, mas sim, maior respeitabilidade à nossa classe e ao digno cliente que nos procura.

Somos ou não somos BODES EXPIATÓRIOS?

O Autor

São Luís/Ma, março de 1981

 

 

 

                                                                                                XI

Veja bem alguns dos lances                                        Depois da especialidade

E analise por favor                                                      Volta p’ra terra natal

Sinta o tamanho da fria                                               Fala com um e com outro

De quem quer ser doutor                                            Mas de emprego vai mal

            II                                                                                 XII

A criança do Jardim                                                    Até que um dia  encontra

P’ra chegar ao 2º Grau                                                Um colega mais chegado

Estuda uns 11 anos                                                     Diz: fala com seu fulano

Se assim não levar “pau”                                             Que do prefeito é cunhado

            III                                                                                XIII

Concluídos os estudos                                                            É aí que desconfia

Muito pouco adiantou                                                 Curriculum não tem valor

Pois será chofer de táxi                                               E se falhar o prefeito

Ou de loja vendedor                                                   Resta-lhe o governador

            IV                                                                                XIV

Num país de desnutridos                                            Mas com este pistolão

É grande a repetência                                                  O prefeito foi cortês

Pensar no vestibular                                                    Deu emprego p’ro doutor

É sonhar com a independência                                   Faturou 9 por mês

            V                                                                                 XV

Mas no jovem brasileiro                                              Veja que judiação

 O otimismo esbarra                                                    A consciência como voa

Mesmo passando miséria                                            O doutor feliz afirma

Estuda com muita garra                                              P’ra início a coisa é boa

            VI                                                                                XVI

Ele estuda dia e noite                                                  Logo vem outro colega

P’ra poder se preparar                                                 Um pouco desconfiado

Nada importa no momento                                         Vamos tentar com cicrano

A não ser o vestibular                                                 Uma vaga o Estado

            VII                                                                              XVII

Aprovado ele afirma                                                   Desta vez juntam-se dez

Minha vida já mudou                                                  Um grupo bem mais pesado

Vou pelar minha cabeça                                              Elegem um mais falante

Logo mais eu sou doutor                                            P’ra tocar o Deputado

            VIII                                                                             XVIII

No decorrer de 6 anos                                                 A cidade é província

A faculdade lhe deu                                                   O Deputado influente

Conhecimentos de causa                                             Promete que em 6 meses

Que pouca gente aprendeu                                         Emprega toda essa gente

            IX                                                                                XIX

Ao receber o canudo                                                   Agora o nosso doutor

O clima fica mais crítico                                             Levanta mais o topete

Ou consegue estágio fora                                            Em cima daqueles 9

Ou emprego com político                                            Vai somar mais dezessete

            X                                                                                 XX

Deu muita sorte o doutor                                            Ele então fica a sonhar

Conseguiu a Residência                                              Voando mais que a VASP

Dois anos fora de casa                                                            Pois o seu 3º emprego

É ter fé e paciência                                                      Só com concurso do DASP

------------------------------------------------------------------------------------------------------------

            XXI                                                                             XXXI                         

Doravante a coisa é feia                                              Não somos contra ninguém

O pior ainda vem                                                        Muito mais pelo contrário

Com esses 26 mil                                                        Isto é grande desrespeito

Fingir que tudo vai bem                                              Veja o valor do salário                       

            XXII                                                                           XXXII

Veja quão sério é o drama                                           Nós queremos bons salários

Todo doutor é barão                                                   E condições de trabalho

Vivendo de dois empregos                                         Pois o médico para o povo

Que mal lhe pagam o feijão                                        Não passa de quebra-galho

            XXIII                                                                          XXXIII

Tudo p’ra ele é mais caro                                            Espero ser compreendido

O doutor tem muita grana                                           Não pense que sou um vil

Só quem conhece o real                                              Ninguém pode imaginar

Sabe que o povo se engana                                         A classe médica do Brasil

            XXIV                                                                          XXIV

Agora pare um pouco                                                  Neste momento difícil

Veja o que faz o doutor                                              Tenho fé, não sinto raiva

Dá vida p’ra muita gente                                            Vinte e seis “milhas”por mês

Mas ninguém lhe dá valor                                           Quem lhes fala é o Saraiva

            XXV

A coisa foi piorando

Caiu em si o doutor

Uniu-se com os demais

P’ra pedir mais um favor

            XXVI

Os médicos preocupados

Com a fome da família

Há anos vem explicando

Este drama em Brasília

            XXVII

Diálogos e fundamentações

Apresentam os sindicatos

Mas ninguém lhes dá ouvido

Pois os médicos são “pacatos”

            XXVIII

Essa trama é complicada

O povo deve entender

O médico tem que brigar

Se quiser sobreviver

            XXIX

Apesar dos puxa-sacos

De colocação bem breve

Dizerem que sacerdote

Não pode declarar greve

            XXX

Isso é gente “camarão”

Conivente com o “caçote”

Pois doutor passando fome

Deixa de ser sacerdote

------------------------------------------------------------------------------------------------------------

 

   

Sobre...

“A História da Humanidade registra os movimentos de guerra em todos os momentos evolutivos das sociedades no mundo inteiro... Se tem sido possível formar batalhões destrutivos baseados no egoísmo, talvez seja possível, mais razoável e humano compor legiões construtivas respaldadas no altruísmo”