SÓ BERNARDINO DÁ JEITO. Vou recuperar esta cidade.

 

            I                                                                                   IX

Venho narrar uma história                               A cidade sempre limpa

Gostosinha p’ra chuchu                                  Na rua não tinha bicho                       

Política igual não conheço                              O povo também se lembra

Como esta em Cajuru                                      Do lindo carro de lixo

            II                                                                     X

Vou falar do ex-prefeito                                 Trabalhava dia e noite

E vocês vão se lembrar                                    Achava muito normal

O povo vivia rindo                                          Como prefeito decente

Hoje só falta chorar                                         Comprou carro oficial

            III                                                                    XI

Naquele tempo o povão                                  O criador ganha casa

Escolheu e teve sorte                                      E um barzinho sem igual

Rodoviária bem feita                                      No parque de exposição

E ginásio de esporte                                        Na época da Expogal

            IV                                                                    XII

Construiu uma avenida                                   Com a cesta de Natal

Com razão e muita lógica                                O povo tinha o seu pão

Fez um posto de saúde                                   Curtia com alegria

E uma clínica odontológica                             As festas do Corujão

            V                                                                     XIII

Uma escola na Cohab                                     O buracão ou lixeira

Casas populares depois                                   Foi drenado e pegou grama

E assim ficou criada                                        O prefeito que trabalha

A nossa Cohab dois                                        Ao sair deixa sua fama

            VI                                                                    XIV

Esta cidade é pequena                                                A Cohab e a cidade

Mas tem belas criaturas                                   Se ligaram com uma rua

Naquele tempo este povo                                O prefeito que não presta

Tinha novas viaturas                                       O povo lhe mete a pua

            VII                                                                  XV

Basculantes e ambulâncias                              Maria Tereza e Dom Bosco

Plaina e carregadeira                                       Escolas da zona rural

Todo mundo trabalhava                                  Crianças com uniformes

Não se via brincadeira                                     Todas com material

            VIII                                                                 XVI

Eram kombes e micro-ônibus                          As crianças nas escolas

Uma escavadeira também                               A população sabia

O povo todo falando                                      Tinha na vaca mecânica

Prefeito macho nós “tem”                               Uma alimentação sadia

------------------------------------------------------------------------------------------------------------

 

            XVII                                                               XXV

A horta comunitária                                        Fez um centro de saúde

Com efeito educativo                                     Este prefeito valente

Garantindo a merenda                                                O povo de Santa Cruz

Seu maior objetivo                                          Até hoje está contente

            XVIII                                                              XXVI

Estradas e muitas pontes                                 Eu não citei o seu nome

Isto é verdade, não prosa                                Pois dele já falei tudo

P’ra citar apenas uma                                      Zé Bernardino, p’ra nós

De Cajuru a Santa Rosa                                  Para os metidos é Cascudo

            XIX                                                                 XXVII

Foi construído o Banespa                               Zé Bernardino mostrou

Com prestígio e decisão                                  Que sabe administrar

Iluminou-se a cidade                                       O povo inteligente

Conforme a precisão                                       Pede p’ra ele voltar

            XX                                                                  XXIII

Este prefeito exigente                                     Assim ele comprova

É um homem bem simplório                           Do homem o seu valor

Não podemos esquecer                                   Quem se chamava cascudo

Que também fez o velório                               Agora é nosso doutor

            XXI                                                                 XXIX

Tudo isto, aqui foi feito                                  O respeito ao eleitor

Cada um tem na lembrança                             Punha o lixo nas latas

Vamos ver as construções                               Os pernilongos de hoje

Na Santa Cruz da Esperança                          Desfilam com as baratas

            XXII                                                               XXX

Pavimentação total                                          José Bernardino trabalha

Como dever, não esmola                                 O povo já comparou

Serviço de água e esgoto                                O tempo sempre ensina

Quadra de esportes na escola                          Àquele que já errou

            XXIII                                                              XXXI

Reforma no Grupo Rita Ferraz                       A cidade merece

E também do cemitério                                   O prefeito que deseja

Fez a praça de esportes                                   O filho que ama o pai

Com dinheiro e sem mistério                          A sua mão sempre beija

            XXIV                                                              XXXII

Construiu 18 pontes                                        Não adianta mentir

E um clube social                                            Nem tão pouco enganar

Uma sub-prefeitura                                         O povo ficou sabido

Na sua Terra Natal                                          E já sabe em quem votar

                                                                                    XXXIII

                                                                        Cajuru foi um jardim

                                                                        Quando teve um bom prefeito                       

                                                                        O povo todo comenta            

                                                                        Só Bernardino dá jeito

                                                                                    XXXIV

                                                                        A voz do povo é a voz de Deus                     

                                                                        O paraíso está por vir

                                                                        Te preparas Cajuru

                                                                        Bernardino vem aí

 

José Bernardes Freire, o Bernardino, nasceu na Fazenda Bom Retiro, no povoado Santa Cruz da Esperança, município de Cajuru/SP, no dia 18.06.27.

 Depois de grandes feitos e completar 75 anos, desencarnou, no dia 08.07.02.

 

 

 

   

Sobre...

“A História da Humanidade registra os movimentos de guerra em todos os momentos evolutivos das sociedades no mundo inteiro... Se tem sido possível formar batalhões destrutivos baseados no egoísmo, talvez seja possível, mais razoável e humano compor legiões construtivas respaldadas no altruísmo”